Revisitando o Dukescript

A algum tempo fiz um post sobre o Dukescript e agora vou colocar as minhas impressões sobre essa pequena experiência com a tecnologia.

Pontos positivos

  • binários multi-plataforma sem complicações - o build abstrai toda a complexidade na geração do binário;
  • separação MVC bem clara - a view, o model e o controller são muito bem separados na arquitetura do Dukescript;
  • utilização de HTML5 e CSS - a parte visual da aplicação fica muito mais rica e simples utilizando o HTML5 e CSS;
  • o Java de volta ao browser - utilizar Java em navegadores sem plugins ou applets é excelente;
  • utilização de bibliotecas Javascript - Jquery, Knockout etc podem ser utilizadas facilmente pelo Dukescript;
  • facilidade para testes automatizados - a estrutura do Dukescript permite a criação fácil de testes automatizados para cada camada da aplicação;
  • sem redeploys - ao salvar o código só é necessário efetuar um reload na aplicação, para o mesmo ser refletido na aplicação.

Pontos negativos

  • plugin somente para uma IDE - apesar de eu preferir o Netbeans como IDE, acredito que é um ponto fraco a falta de suporte para as outras;
  • pouco material de aprendizagem - á uma série de posts no blog oficial, mas muito superficiais ainda, acredito que seja por ser uma tecnologia muito nova;
  • tecnologia muito nova - por ser uma tecnologia muito nova não recomendaria para projetos médios para grandes ou grandes;
  • dependência do plugin Netbeans - caso não queira utilizar o plugin do Netbeans a configuração do projeto se torna muito onerosa.

Lembro que esses pontos são minhas opniões através de uma impressão de primeiro momento ao experimentar a tecnologia. Criei um pequeno projeto para aprender o Dukescript.

Um abraço e até a próxima!

Escrito em 1 Janeiro de 2016